Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player


Crossing-over

Data do artigo: 2004-10-20 Autor: Amadeo Sigismondi Filho

O termo "crossing-over" é de uso universal em genética, não havendo nos idiomas comuns, uma palavra que o traduza.

Podemos dizer "permuta, troca de fatores ou recombinação".

Há, em genética, um fenômeno que se opõe ao crossing-over que é denominado "linkage", o que podemos traduzir por "ligação fatorial".

Nosso tema é crossing-over, mas faremos uma sinopse sobre ligação fatorial, assunto que estará relacionado com as cores combinadas. Consideramos um fato novo, o tema linkage em canaricultura, pois não tivemos ainda a oportunidade de ver este assunto tratado na atividade. É certo que em muitas cores ligadas ao sexo podem estar sob a influência de gens, em ligação fatorial.

O fenômeno da linkage foi descoberto pelos trabalhos de Bateson e Punnett, em experiência com ervilhas. Observaram eles que, em casos especiais, a lei de Mendel, referente à independência não ocorrida. As primeiras hipóteses nesse sentido datam de 1906. Coube, contudo, a Morgan, em 1910, fixar definitivamente os postulados da linkage.

   Em resumo, a linkage pode ocorrer quando determinados gens estão tão próximos em um mesmo cromossomo que a separação deles pelo processo de crossing-over não se dá, ou se dá de forma muito excepcional.

Os primeiros estudos da linkage se referiram a fenômenos relacionados no cromossomo do sexo. A partir de 1914, os estudos da linkage se desenvolveram também para pesquisas nos cromossomos autossomais.

A linkage pode se apresentar de duas formas:

a) Linkage completa
b) Linkage parcial.

O crossing-over é o oposto da linkage, pois diz respeito exatamente à separação de gens.

Existem várias teorias a respeito de crossing-over e, por serem várias, poderemos, em princípio, concluir que o mesmo não se encontra ainda devidamente explicado. A verdade é que não se sabe ainda como ocorre e nem com que freqüência ocorre.

Entre renomados geneticistas de notório saber, os mais citados em trabalhos referentes ao crossing-over são Hedane, Levine, Janssens, Cooper, Darlington,Schwartz, Bridger Matsuro, com sua teoria neo-clássica e White.

Darlington postulou uma teoria muito aceita, denominada "teoria moderna", em 1934. Todos estes cientistas e outros mais, têm pontos que se chocam. Podemos dizer que há uma sucessão de conflitos.

Uns dizem que o processo é mecânico, outros físicos e hoje, modernamente, que é químico.

A teoria de mais fácil compreensão é a clássica de SAX (1932), denominada teoria dos dois planos. Ressalvamos aqui a teoria de SAX hoje em dia é muito combatida, porém, ela diz bem o que necessitamos entender. Em síntese, ele postulou que crossing-over é uma troca de gens, conseqüência de um cruzamento anterior de cromatídeos não irmãos.

Fonte: Amadeo Sigismondi Filho ( voltar ao topo )

Voltar aos artigos

OBRIGADO PELA VISITA! TODOS OS DIREITOS RESERVADOS © CANARIL MOURA